OUÇA NOSSAS RÁDIOS CRIADAS
COM EXCLUSIVIDADE
PARA NOSSOS OUVINTES
play-mpb ALPHA FM
MPB
FAÇA SEU
CADASTRO
FALE COM A ALPHA

Tiradentes está nos cinemas brasileiros

Em “Joaquim” diretor busca aproximar passado do presente

joaquim2.jpg

Depois de sua avant-première no festival de Berlim 2017, chega aos cinemas brasileiros Joaqum – épico sobre um dos personagens históricos mais estudados pelos alunos do ensino fundamental brasileiro que permanece um dos personagens mais enigmáticos da história nacional.



O Joaquim não poderia ser outro senão  Joaquim José da Silva Xavier – o Tiradentes (1746-1792) –, interpretado pelo ator Júlio Machado – também em cartaz na série Os Dias Eram Assim, da Rede Globo.


Trilogia



O longa-metragem que retrata o movimento conhecido como Inconfidência Mineira, tinha tudo para ser o final de uma trilogia com produção espanhola destacando revolucionários sul-americanos que se rebelaram contra os colonizadores.


Porém, após La Redota (2011) – sobre o general uruguaio José Artigas  – e  Libertador (2013) – sobre o venezuelano Simon Bolívar – os espanhóis decidiram não continuar com o projeto.


Entram em cena os antagonistas



Para realizar seu filme, o diretor pernambucano contou com produção portuguesa no lugar da espanhola – justamente os antagonistas do tema principal do longa, que contou com direção e roteiro de Marcelo Gomes (mesmo roteirista de Madame Satã).


Em Joaquim, Gomes optou por destacar o cenário político do século 18: corrupção em massa, miséria e a influência direta dos movimentos de independência nos Estados Unidos (a corrupção, aliás, nunca esteve não em moda, três séculos mais tarde).


Desconstrução do Mito



Em entrevista para divulgar o filme, Marcelo Gomes destacou suas intenções sobre Joaquim: “Não me interessava a figura recorrente do herói nato, daquele ungido para a missão, mas a conversão do homem comum por força das circunstâncias e do livre-arbítrio”, explicou o diretor”.


 “Fico feliz que as pessoas façam esse link entre passado e presente. O filme fala de fraturas ainda hoje expostas. Esse passado está no nosso presente, na forma como as relações sociais e de poder se formaram no Brasil”.

LEIA TAMBÉM

A Marca do Pantera Negra

O salto da ‘Mulher Maravilha’

De Homem-Aranha a Planeta dos Macacos

# BODY