FAZER LOGIN FALE COM A ALPHA
logotipo_flutuante

São Paulo rumo aos 463 anos

Saiba mais sobre os principais pontos que valem sua visita

Em 25 de janeiro, a cidade mais cosmopolita do Brasil completará 463 anos desde sua fundação em 1554, pelo grupo de jesuítas encabeçado por Manoel da Nóbrega e José de Anchieta.

Desde então, a capital paulista – fundada em torno do Pateo do Colégio – tem sido vítima do crescimento descontrolado e de administrações aquém de suas necessidades.



Isso não impede de destacarmos alguns de seus cartões-postais – e o que eles precisam para ficarem melhores à vista dos paulistanos – e dos cidadãos do mundo.


Ponte estaiada Octávio Frias de Oliveira



Inaugurada em 10 de maio de 2008, a ponte localizada no bairro do Brooklin tem sido vítima de pichadores e vândalos. Recentemente, a construção de 138 metros de altura e 1,6 km de comprimento recebeu iluminação LED e nova pintura. Sensores instalados nas proximidades prometem garantir a preservação do local.


Jardim Botânico



Um dos lugares mais belos da capital, quando o tema é natureza. Fundado em 1928, a partir de um projeto do naturalista mineiro Frederico Carlos Hoehne,  o Jardim Botânico possui 360 mil metros quadrados de muito verde, e abriga espécies de animais raros como o tucano-de-bico-verde. Vale uma visita: Avenida Miguel Estéfano, 3687, Água Funda.


Cruzamento da Avenida Ipiranga com a Avenida São João



Imortalizada na canção “Sampa”, lançada em 1978 pelo baiano Caetano Veloso, o ponto na região central já foi habitat natural de boêmios e turistas de todo o mundo. Hoje, todo o centro sofre com a falta de cuidados, limpeza e segurança.


Parque do Ibirapuera e seus monumentos



A principal carência de quem visita o Ibira é a falta de estações do metrô em sua proximidade – um dos pontos fortes de locais como Central Park (Nova York) e Hyde Park (Londres).

Ainda assim, não faltam atrações no local. Além da área verde, vale a visita ao Obelisco Mausoléu, erguido em 1970 em tributo aos heróis da revolução Constitucionalista de 1932.



Outro ponto indispensável é o Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret – pichado recentemente por vândalos  -, inaugurado no quarto centenário de Sampa, em 1954

LEIA TAMBÉM

UMA FREBRE CHAMADA “HATCHIMALS”

Japão e Brasil: quando as culturas se misturam

Reino Unido: viagem mágica e misteriosa

# BODY