OUÇA NOSSAS RÁDIOS CRIADAS
COM EXCLUSIVIDADE
PARA NOSSOS OUVINTES
play-mpb ALPHA FM
MPB
FAÇA SEU
CADASTRO
FALE COM A ALPHA

Os 40 anos de "Os Embalos de Sábado à Noite"

Mergulhe na história do filme e do disco que fez o mundo dançar

1000X605_2.jpg

Bary Ridge, Brooklyn, 1976 – Ao chegar à badalada discoteca 2001 Odissey, o jornalista inglês Nick Cohn está preparado para mergulhar na nova onda da música disco americana. Porém, do lado de fora, tudo muda, quando rapazes bêbados iniciam uma luta e o britânico é atingido por um dos brigões, o obrigando a voltar para Manhattan...


Essa aventura, publicada naquele mesmo ano em um artigo na New York Magazine (e anos mais tarde, revelado pelo próprio autor como texto fictício), serviria como base do roteiro de Os Embalos de Sábado à Noite – musical que alavancou a carreira de John Travolta e o transformou em uma estrela pop logo após sua estreia nas salas de cinema, 40 anos atrás.


Produção humilde, bilheteria gorda



Produzido pelo australiano Robert Stigwood (1934-2016) e dirigido pelo então novado John Badham, Os Embalos de Sábado à Noite começou como um projeto pouco ambicioso. Com apenas US$ 3,5 milhões no caixa, Stigwood (famoso por levar musicais do teatro para o cinema, como Tommy e Jesus Cristo Superstar), convocou John Travolta para o papel de Tony Manero, um vendedor de tintas nativo do Brooklyn que gostava mesmo era dos embalos na discoteca aos sábados.


Indicação ao Oscar



Apesar do baixo orçamento, o longa rapidamente ganharia popularidade e dinheiro: no total, faturou nas bilheterias nada menos que U$ 237 milhões – quase oito vezes o valor do investimento. Ao mesmo tempo, Travolta (que havia perdido a chance de atuar em Jesus Cristo Superstar, produzido pelo próprio Stigwood) conquistou fama imediata e uma indicação ao Oscar de Melhor Ator.


Embalos e dilemas de um garoto “italiano” do Brooklyn



A trama básica de “Embalos” gira em torno da rotina de Tony Manero (Travolta), um rapaz de 19 anos que vive sendo comparado ao irmão padre, enquanto ele nem pensa em trocar as pistas por nada nesse mundo. Apesar das críticas familiares, Tony decide investir em uma competição de dança na Odissey 2001 ao lado de Stephanie (Karen Lynn Gorney). Nesse interim, ele se vê envolvido no meio de uma briga de gangues enquanto busca um rumo para sua vida amorosa e profissional. 


Bee Gees renascem



Não há dúvida. A cereja do bolo de Os Embalos de Sábado à Noite é sua trilha sonora, dominada por canções dos Bee Gees. Convocados por Robert Stigwood (empresário dos irmãos Gibb desde os anos 60), os Bee Gees apareceram somente na fase final de produção do filme.


Antes de contribuir com os futuros clássicos Stayin' Alive, How Deep Is Your Love, Night Fever, More Than a Woman, Jive Talkin’, If I Can’t Have You (gravada por Yvonne Elliman) e You Should Be Dancing, a banda se preparava para gravar o próximo disco na França. Tudo foi cancelado na última hora e trocado pelas músicas que formaram a base da trilha do longa – quase todas escritas em apenas uma semana.


120 semanas nas paradas



O resultado não poderia ser mais surpreendente: a trilha de Os Embalos de Sábado à Noite não só atingiu o primeiro lugar nos EUA, como permaneceu no topo por 24 semanas seguidas entre janeiro e julho de 1978, resultando em 15 milhões de unidades vendidas somente na América. Em seguida, o LP seguiu seu curso nas paradas da Billboard em um total de 120 semanas, até março de 1980. Até hoje, os Bee Gees embalam os Tony Maneros do Planeta com seus standards da disco...

LEIA TAMBÉM

Três décadas de “Máquina Mortífera”

Pica-Pau clássico em DVD

TURMA DA MÔNICA: EM CARNE E OSSO NOS CINEMAS

# BODY